Imprensa

27/10/2012 - Restos de Alimentos, que antes eram jogados no lixo, agora viram adubo
Qual é a primeira coisa que vem à cabeça quando o assunto é reciclagem de lixo? Acertou quem pensou em papelão, vidros, ou qualquer tipo de metal. Entretanto, o que talvez muitos não saibam é que os resíduos orgânicos, também conhecidos como lixo úmido, também podem ser reciclados, sendo transformados, em muitos casos, em adubo. Em setembro, o programa Cidades e Soluções, da Globo News, apresentou alguns casos de sucesso de empresas que vêm apostando no reaproveitamento do lixo como forma de contribuir para a sustentabilidade do planeta.
Fonte: Globo Ecologia

24/07/2012 - Emprego Verde: uma nova profissão
O Brasil possui 2,6 milhões de empregos verdes, 6,73% do total de postos de trabalhos formais, segundo dados do Banco Mundial de 2011. O estudo estima que os investimentos para reduzir em cerca de 20% as emissões de carbono até 2030 no país poderiam gerar anualmente 1,13% a mais de empregos na nossa economia.
Outro dado importante são as características dos profissionais dessa área; a transição feita por muitos que, ao contrario do que se pensa, não abandonam suas áreas originárias, mas vão atrás de novas formações e/ou complementações que possam ser associadas à nova demanda.
Exemplo disso, após concluir o curso de direto, o advogado Marcos Rangel, buscou especialização cursando gestão ambiental no COPPE da UFRJ. Hoje, ele dirige uma companhia de compostagem, a VideVerde, que atende clientes como, L'oreal, Michellin eos supermercados Zona Sul.
Em outras áreas, a demanda pela implementação da sustentabilidade no dia a dia só cresce. É o caso de alguns arquitetos, que são cobrados cada vez mais por soluções sustentáveis em seus projetos.
Pensando na afirmativa acima, cada vez mais a preocupação ambiental e nas muitas possibilidades surgem a cada dia, a boa noticia é que os empregos verdes serão os empregos do futuro.
Fonte: O Dia - Ciência e Saúde

06/07/2012 - Lixo orgânico é transformado em negócio lucrativo no Brasil
Lixo é um negócio lucrativo, e muito positivo para o meio ambiente, desde que tratado corretamente. O que se joga fora de comida por ano no Brasil daria para alimentar 30 milhões de pessoas. É a população do Iraque.
Cada um de nós gera em média um quilo de lixo por dia e mais da metade disso é matéria orgânica. São 22 milhões de toneladas de alimentos que para na lixeira. Resíduos que se transformam em uma bomba-relógio ambiental na maioria das cidades brasileiras.
Abandonados a céu aberto, os resíduos orgânicos vão parar nos lixões, viram chorume, que contamina as águas subterrâneas. Gás metano, que agrava o efeito estufa. Atraem ratos, moscas e baratas, que transmitem doenças.
Acompanhamos a rotina de uma das primeiras empresas do Brasil a transformar lixo orgânico em negócio lucrativo. O material é levado para um imenso galpão em Magé, na região metropolitana do Rio, onde acontece a compostagem.
"A compostagem de forma natural duraria em torno de cinco a seis meses. Através de um líquido, que funciona como catalisador do processo, a gente acelera isso para em média 40 dias", explica o diretor comercial da Vide Verde, Marcos Rangel.
Outra vantagem desse sistema é que ele reduz drasticamente as emissões de gases de efeito estufa, que provocam o aquecimento global. Nos aterros de lixo, gera-se 400 gramas de gás para cada quilo de lixo orgânico. Nas composteiras, essa emissão fica em torno de quatro gramas, por quilo, 100 vezes menos.
O que antes era resto de comida vira material seco, sem cheiro ou riscos para a saúde. Misturado à terra preta, o composto é ensacado para então se transformar em um produto cobiçado no mercado de jardinagem.
Fonte: Jornal da Globo

25/06/2012 - Rio+lixo
Em sete dias, foram recolhidas 12 toneladas de lixo orgânico em áreas da Rio+20. O dado é da VideVerde, empresa de compostagem responsável pela coleta desse lixo no evento.
Tudo foi recolhido no RioCentro, Forte de Copacabana, Galpão da Cidadania e HSBC Arena.
Fonte: O Globo – Ancelmo Gois

21/06/2012 - Rio+20: mais de 10 toneladas de lixo orgânico já coletadas – Durante a Rio+20, empresa estima recolher cerca de 20 toneladas de lixo orgânico- tudo será reaproveitado.
Depois de uma semana de debates, a Rio+20 já apresenta alguns números relacionados ao lixo. A VideVerde, empresa de compostagem (técnicas de decomposição de materiais orgânicos), é a responsável pelo recolhimento e tratamento do lixo orgânico no evento, e já recolheu mais de 12 toneladas.
Além do Rio Centro, as coletas também estão sendo feitas no Forte de Copacabana, no Glapão da Cidadania (Gamboa) e no HSBC Arena, até o fim do evento. Todo lixo recolhido pela empresa vai ser transformado em adubo 100% orgânico. Até o final da Rio+20, a VideVerde espera recolher cerca de 20 toneladas de resíduos- isso só de orgânicos!
Fonte: IG / Lu Lacerda

20/05/2012 - Emprego verde bate os demais – Vagas no setor cresceram 26,7%, em 5 anos, contra os 25,3% da média do paÍs, diz OIT.
Os empregos verdes cresceram e se espalharam por diferentes setores e profissões.
De acordo com o diretor da OIT houve avanço no Brasil em matéria de proteção ambiental, com a política nacional dos resíduos sólidos. Porém afirma que é necessário que a iniciativa privada e publica façam avaliação do mercado, a fim de medir a demanda de profissionais, e em quais áreas são mais necessários. Pois assim é possível oferecer formação adequada para atender o mercado.
O setor de compostagem, por exemplo, ainda é pouco representativo na economia verde, considerando que apenas 5% dos resíduos orgânicos do Brasil são destinados para esse processo.
A transformação de matérias orgânica em adubo ecologicamente correto foi justamente o que atraiu o advogado Marcos Rangel, especialista em direito ambiental. Ele criou a VideVerde com fábricas em Magé e Resende.
O mundo empresarial percebeu que gerir com foco em gestão do ambiente e responsabilidade social dá retorno, seja financeiro, de fidelização dos clientes e de imagem.
Fonte: O Globo – Boa Chance

01/05/2012 - Unidos Contra o Desperdício – Empresa de Resende ensina crianças da região a importância de reciclar o lixo orgânico.
A VideVerde, empresa com sede em Resende, é pioneira na técnica de acelerar o processo de reciclagem. O processo é apresentado para frequentemente para grupos de crianças da região, que conhecem de perto a importância da reciclagem e da preservação do meio ambiente.
De acordo com a professora da Escola Municipal José Roberto Sampaio, na sala de aula, o assunto da compostagem traz à tona a importância de se alimentar bem e não desperdiçar comida.
Fonte: O Globo – Vale do Paraíba

27/03/2012 - Reforço pela compostagem.
Com a crescente necessidade de achar um destino final para o lixo, que não seja aterro ou lixão, processos naturais como o da compostagem vêm ganhando força. Além de ter crescido o número de pessoas adeptas da prática há empresas especializadas em acelerar o procedimento. É o caso da VideVerde, por meio de interferência com bactérias , o longo método o longo método natural da reciclagem do lixo orgânico é acelerado.
Com sede em Resende e uma área inaugurada há uma no de 1200 m² em Magé, a empresa recebe, por mês, cerca de 550 toneladas de lixo. Os resíduos das companhias como L'oreal, Chevron, P&G, Michelin, ThyssenKrupp e da rede de supermercados Zona Sul, clientes da empresa, são transformados em adubos e vendidos para agricultores e consumidores individuais.
Ao longo da reportagem, são descritos os procedimentos, há relato dos moradores, que em um primeiro momento se opuseram a empresa, por tratar de resíduo, mas atualmente não acham mais que seja um problema, pois não há cheiro e houve muitos benefícios para região, como geração de empregos de maneira direta e indireta, projetos de educação ambiental as escolas do entorno, distribuição dos alimentos orgânicos plantados na unidade para os morados ao entorno.
Está reportagem contou com a participação do Marcos Rangel, diretor da VideVerde e especialista em Gestão ambiental.
Fonte: O Globo – Razão Social

2011 - Reciclagem e Reaproveitamento de resíduos – Nossas iniciativas prioritárias
Acompanhando as tendências mais sustentáveis do mundo, a L'oréal Brasil segue diretrizes globais que contemplam desde ações de prevenção de riscos ambientais ate estratégias para minimizar a geração de resíduos dos processos produtivos. A unidade Rio de Janeiro foi a primeira fabricado Estado do Rio de Janeiro a implantar o processo de compostagem em suas instalações. Em parceria com a Venativ, que criou a VideVerde – um dos braços da empresa, especializada em transformar todo lixo orgânico em adubo, por meio de um processo acelerado de degradação biológica. Com essa iniciativa, a unidade destina 100% de seus resíduos sólidos de forma ecologicamente correta. Uma vitória não só da L'Oréal Brasil, mas também da sociedade: o pioneirismo abriu as portas para que outras oito empresas buscassem o apoio da Venativ para dar um novo destino ao metano, um resíduo gerado durante a degradação da matéria orgânica com alto potencial de agravamento das mudanças climáticas. O ganho vai além, pois aumentou a empregabilidade da região e levou educação ambiental as escolas ao redor.
Fonte: L'oréal

Galeria de Fotos